Poemas e textos em prosa cheios de poesia: todos pedaços de mim. Por muito tempo prendi as palavras na ponta da língua porque achava que era fraqueza me expor. Isso junto com a consciência de que nos imprimimos em qualquer coisa que escrevemos foram os grandes motivos de não me jogar na escrita. Mas, enfim, resolvi tomar um caminho diferente; juntar os meus retalhos, meus interesses, minhas opiniões; juntar todos eles de forma que faça sentido, que transborde de significado, de forma que me cure. À medida que costuro os meus retalhos, costuro minhas feridas… o que não cai junto com as lágrimas sai nas palavras escritas.

Amo a a ideia de uma colcha de retalhos por ser a imagem de reaproveitamento, reorganização, tornar útil algo que foi considerado resto, supérfluo. Amo também a possibilidade de ter mais de uma estampa favorita – desse jeito posso ter todas juntas ordenadas ou caóticas, estarão unidas pela mesma finalidade.

Por outro lado, a palavra retalho me lembra assassinos, aqueles que planejam e esquartejam as vítimas para que não sejam achadas e ele não seja descoberto. Retalhos de gente estão espalhados por aí… um corpo retalhado perde totalmente o sentido. Cadáveres em centros de necropsia também são corpos retalhados, mas ainda possuem finalidade outra além de lembrar os humanos da inevitabilidade da morte.

escrevendo por regra e por exceção